Criada em 2009, a Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais se inspirou na experiência francesa das Journées du Patrimoine. Partindo da premissa de que as ações de promoção e divulgação do patrimônio cultural são de fundamental importância para tornar mais efetiva a participação social e a gestão compartilhada das políticas de preservação do patrimônio cultural em nosso país, a iniciativa constituiu-se em uma experiência concreta e rica em possibilidades, capaz de reforçar a ideia de que as ações de proteção ao patrimônio cultural não são prerrogativas apenas dos órgãos públicos e que elas devem caminhar sempre na direção de um aprendizado coletivo, da valorização da diversidade cultural e de modo a contribuir para a criação de redes de circulação da produção cultural.

A realização da Jornada em Minas Gerais assumiu contornos próprios, com a participação de municípios e instituições culturais em torno de um mesmo objetivo, ou seja, de estimular e desenvolver atividades que sensibilizem a sociedade, favorecendo a transmissão dos valores culturais e promovendo sua inserção contemporânea em um projeto mais amplo de valorização da diversidade do patrimônio cultural mineiro. O sucesso alcançado pelo programa resultou na conquista do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade/2010, como a melhor ação de divulgação do patrimônio cultural no país. O prêmio, concedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Iphan, é um reconhecimento às ações que se destacam na preservação do patrimônio cultural brasileiro. Em suas edições anteriores, foi registrada a participação de mais de 2.000 proponentes que promoveram cerca de 4.400 ações em todo o estado.

Edição 2017

A Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais propõe para este ano de 2017, o tema “Outros olhares sobre o patrimônio cultural”. O Objetivo dessa edição é oferecer a oportunidade de fruição dos bens patrimoniais, por meio da disponibilização de documentos e registros de difícil acesso, como projetos arquitetônicos, documentação técnica em geral, álbuns de família, documentação fotográfica histórica, sobretudo aquela que ofereça uma visão pouco comum dos bens protegidos, como o interior das edificações. Estão incluídos também registros de artistas e fotógrafos, assim como outras manifestações artísticas, que tenham como tema ou produzidas com um olhar sobre os bens protegidos, sejam eles de natureza material ou imaterial.

Selo da 6ª Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais

Disponibilizamos o selo da "6ª Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais" e a assinatura conjugada IEPHA+SEC+Gov (conjunto de marcas IEPHA + Secretaria de Estado de Cultura + Governo de Minas Gerais) para serem utilizados pelos proponentes nas peças de divulgação das ações.

Elas não devem ser modificadas nas cores, nas formas, na ordem dos elementos, etc e não devem ser desmembradas, e a assinatura conjugada IEPHA+SEC+Gov deve ser (toda ela) dimensionada para que a marca do governo estadual (Gov) fique com pelo menos 1,5cm (15mm) em peças gráficas menores (exemplo: formato A5) e pelo menos 3,0cm (30mm) nas peças gráficas de maiores tamanhos. O selo da "6ª Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais" não deve ser utilizado menor que 4cm de largura.

6ª Jornada Identidade

6ª Jornada Identidade Negativo

Assinatura Conjugada Horizontal IEPHA+SEC+Gov

Assinatura Conjugada Horizontal IEPHA+SEC+Gov Negativo

Leia o regulamento aqui

Acesse o formulário de adesão e increva-se aqui